O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



Um homem acusado pelo Ministério Público de Santa Catarina por uma tentativa de feminicídio em São José do Cedro foi condenado a 18 anos e um mês de reclusão, em regime inicial fechado. O réu atacou a vítima pelas costas, com uma faca, na frente dos filhos dela, de cinco e seis anos de idade. 

A sessão de julgamento foi realizada na sexta-feira (6/5) na Câmara de Vereadores de São José do Cedro. A Promotora de Justiça Fernanda Silva Villela Vasconcellos representou o Ministério Público perante o Tribunal do Júri. 

O crime ocorreu em setembro de 2018, após discussão envolvendo o acusado e a vítima, que mantinham um relacionamento a dois anos e seis meses marcado por outras agressões - o homem já possuía duas condenações por lesão corporal contra a mulher -, por desentendimentos em relação ao trabalho desenvolvido na estofaria de propriedade de ambos. 

O réu, com uma faca de cerca de 18 centímetros de lâmina, desferiu ao menos seis golpes pelas costas da vítima, atingindo órgãos vitais - pulmão, fígado e rim, sendo o último com perda permanente. O crime de homicídio somente não se consumou por circunstâncias alheias à vontade do acusado, uma vez que a vítima foi prontamente socorrida e encaminhada ao hospital, onde recebeu os cuidados médicos necessários. 

Conforme sustentou a Promotora de Justiça no julgamento, o Conselho de Sentença, formado pelos jurados, entendeu que o crime foi qualificado por motivo torpe, pela impossibilidade de defesa da vítima e por se tratar de feminicídio - ou seja, por razões da condição de sexo feminino, envolvendo violência doméstica e familiar. 

Como previsto no Código de Processo Penal, como a pena é superior a 15 anos, foi negado ao acusado o direito em recorrer em liberdade, sendo determinado o imediato recolhimento ao cárcere para cumprimento da pena.  

Os nomes dos envolvidos não são divulgados a fim de preservar a intimidade da vítima. A decisão é passível de recurso.