O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



Post

Mais atenção e responsabilidade ao falar sobre o tema, minimizar o preconceito e criação de políticas públicas voltadas para a saúde mental da população foram alguns dos principais assuntos discutidos no ciclo de palestras do Setembro Amarelo, evento promovido pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) e que aconteceu nesta terça-feira (13/09), em Florianópolis.  

Pais, familiares, comunidade escolar e profissionais da área da saúde que trabalham com jovens ouviram as falas de especialistas da psiquiatria, pediatria e psicologia. Os palestrantes trataram sobre a saúde mental com o foco na juventude, tendo em vista tópicos como o uso e exagerado de redes sociais e o consumo de substâncias psicoativas. 

No começo das atividades, o Subprocurador-Geral de Justiça para Assuntos Jurídicos, Fábio de Souza Trajano, relembrou que a campanha do Setembro Amarelo - que neste ano está em sua sétima edição - já é tradição do MPSC, sempre fomentando o debate sobre o assunto. "Todos nós, em algum momento de nossas vidas, vamos passar ou vamos ter alguém muito próximo da gente com episódios de depressão. E para que a pessoa se recupere, é muito importante compreender, entender e tratar com muita espontaneidade e naturalidade, buscar ajuda médica e psicológica. Assim,  esse evento é de fundamental importância para a preservação da saúde e qualidade de vida de todas as pessoas", disse Trajano. 

Post

O Subprocurador-Geral de Justiça para Assuntos Institucionais do MPSC, Alexandre Estefani, celebrou a pluralidade do debate. "Quando o MP recebe outras instituições, profissionais de outras áreas, é uma alegria enorme porque a gente sabe que está contribuindo e recebendo contribuições para que juntos possamos alcançar soluções", disse. Estefani ainda acrescentou que a sociedade "avançou muito nos últimos anos ao falar abertamente sobre o tema, mas ainda há muito por melhorar, tendo em vista o número elevado de suicídios, especialmente entre os jovens", completou. 

Romper com o estigma sobre o assunto da saúde mental foi o ponto destacado pelo Coordenador do Centro de Apoio Operacional da Infância, Juventude e Educação (CIJE), João Luiz de Carvalho Botega. O Promotor de Justiça disse que o Setembro Amarelo é "um momento necessário, de sensibilização e mobilização em torno desse tema tão importante para a sociedade em geral, mas especialmente para o público infanto-juvenil, que é ainda mais suscetível a esse tipo de ocorrências. Temos um grande desafio de levar informação de forma orientada, guiada e pedagógica para que esse tema entre em pauta no nosso dia nas famílias", apontou. 

Na mesma direção, o Coordenador do Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos e do Terceiro Setor (CDH), Douglas Roberto Martins, falou que "conversar sobre saúde mental e trazer informação de qualidade permite conhecer os transtornos mentais e saber como reagir e ajudar para evitar situações mais trágicas", disse o Promotor de Justiça.

Post

Presidente da Associação Catarinense de Psiquiatria (ACP) - instituição que promove o evento em parceria com o MPSC, a médica psiquiatra Deisy Mendes Porto também falou na abertura da programação. A especialista alertou para os cuidados ao tratar do assunto. "Falar de saúde mental pode parecer batido. Nas redes sociais parece que já se falou tudo. Mas não é falar de saúde mental de qualquer jeito, é preciso falar de saúde mental com responsabilidade, principalmente quando tratamos de suicídio", comentou a especialista. 

Durante o evento foi lançado o Programa Saúde Mental em Rede. Um programa que objetiva fortalecer a Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) em Santa Catarina, especialmente em um momento no qual os serviços de atenção à saúde mental se tornaram ainda mais requisitados, em função das consequências enfrentadas no período da pandemia. O programa busca reforçar a política pública de saúde mental e garantir que esses atendimentos aconteçam em momentos oportunos e sejam eficientes.

Estratégias, alertas e sinais 

O ciclo de palestras foi iniciado com exposição do médico psiquiatra Antônio Geraldo da Silva, que é criador e coordenador nacional da Campanha Setembro Amarelo e presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). Com a palestra "transtornos mentais, abuso de substâncias e suicídio: o que precisa ser dito", ele chamou atenção para a responsabilidade ao se falar publicamente sobre o assunto da saúde mental. "A boa vontade das pessoas em querer ajudar é ótima. Mas isso se trata de uma emergência médica. Nós precisamos que todos ajudem, mas essa é uma questão médica grave. As pessoas morrem", disse. O especialista também defendeu a criação de políticas públicas robustas voltadas para a saúde mental. "Enquanto não mudar o sistema de saúde pública, não vão diminuir os números de suicídio", comentou o médico psiquiatra, indicando que no Brasil, oficialmente há 38 suicídios por dia, em média. Veja a palestra aqui.