O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



Post

O Tribunal do Júri de Blumenau acatou a denúncia do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) e condenou a cinco anos, seis meses e 20 dias de reclusão o réu Willian Schultz, por tentativa de homicídio qualificado por motivo torpe.

O crime ocorreu em quatro de outubro de 2014, por volta de 20h, no bairro Progresso em Blumenau, quando Willian efetuou quatro disparos de arma de fogo contra a casa em que a vítima, Margarete de Simas Krueger morava com o marido, policial militar à época.

Ela se encontrava sozinha na residência na hora do atentado já que o marido estava de serviço no quartel.

Os projéteis atravessaram o vidro da janela da casa e a parede da frente, passaram pela sala, a cozinha, o corredor interno e um quarto do imóvel, atingindo o sofá, um armário e a cabeceira da cama onde a vítima estava deitada.

O ataque à residência do policial havia sido determinado por uma organização criminosa, na onda de atentados ataque contra agentes e instituições de segurança do Estado.

Para o Promotor de Justiça Guilherme Schmitt, que representou o MPSC no Tribunal do Júri, os jurados reconheceram a gravidade da situação ao deliberarem a sentença. "Na época tinham ocorrido alguns atentados a instituições de segurança pública, agentes prisionais, policiais militares. O caso foi um desses atentados que ocorreram em Blumenau.  Os jurados acataram o entendimento do Ministério Público e reconheceram Willian como um dos autores e o condenaram por tentativa homicídio por motivo torpe que eu entendo que foi a decisão mais justa, de acordo com as provas que tinham nesse processo e claro pela gravidade da situação", completa o Promotor de Justiça.

O Juízo concedeu ao réu o direito de recorrer da sentença em liberdade.

Rádio MPSC

Ouça o MPSC Notícias com o Promotor de Justiça Guilherme Schmitt, que representou o MPSC no Tribunal do Júri.

Carregar arquivo do áudio aqui!