O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



Um homem foi julgado e condenado a pedido do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) pela morte da esposa grávida em Lages. Ele cumprirá 27 anos, dois meses e 20 dias de reclusão por ter cometido feminicídio durante a gestação da vítima, na presença da filha dela, por motivo fútil, emprego de recurso que dificultou a defesa e por porte ilegal de arma.

O crime aconteceu no dia 4 de março de 2020, no bairro Santa Antônio. Segundo consta nos autos, naquela tarde, Rudinei Antunes Camargo discutiu com a vítima, grávida de 11 semanas, por questões relacionadas à limpeza da casa.

Em determinado momento, o réu sacou um revólver calibre 32 sem registro e atirou na mulher. O projétil atingiu o rosto dela, causando a morte instantânea. O crime foi cometido na frente da filha da vítima, de um ano de idade. Rudnei fugiu do local, mas acabou preso e sentou-se no banco dos réus dois anos e oito meses após o crime.

O Promotor de Justiça da 11ª Promotoria da Comarca de Lages, Fabrício Nunes, e a Promotora de Justiça Substituta Cassilda Dallagnolo atuaram na sessão do Júri.

"Essa condenação é uma resposta positiva a uma sociedade que não aguenta mais tanta violência, por razões tão banais. Infelizmente perdemos duas vidas, uma mãe e uma criança em gestação, mas o autor do crime pagará pelos seus atos", diz o Promotor de Justiça Fabrício Nunes.