O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



Quatro integrantes de um grupo criminoso que roubava caminhões, denunciados pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), foram condenados a penas individuais superiores a 30 anos de prisão. Os réus foram condenados pelos crimes de roubo triplamente qualificado, exposição da vida a perigo e cárcere privado. 

A denúncia oferecida pelo Promotor de Justiça Gustavo Wiggers, titular da 23ª Promotoria de Justiça da Capital, relatou que em junho de 2022, o grupo criminoso atraiu quatro caminhoneiros através de anúncios de falsos fretes e, após rendê-los e subtrair os respectivos caminhões, os manteve em cárcere privado em uma residência localizada no bairro Ingleses, no norte da ilha, sob a mira de armas de fogo. 

Enquanto isso, os caminhões foram levados para os Estados do Paraná e do Mato Grosso do Sul. Além disso, uma das vítimas foi obrigada a realizar transferências em favor dos criminosos, as quais ultrapassaram o valor de 14 mil reais. Não bastasse, as vítimas foram forçadas a ingerir um líquido contendo sonífero e, totalmente desacordadas, foram soltas em uma obra abandonada.  

Os réus foram presos na noite de 27 de maio deste ano por uma força-tarefa da Polícia Civil de Santa Catarina que, com o apoio da Polícia Rodoviária Federal e do e CyberGAECO do MPSC, desarticulou e prendeu os integrantes da organização criminosa responsável por crimes ocorridos desde o final de março em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul contra caminhoneiros de diversos Estados do Brasil. 

A sentença foi proferida pelo Juízo da 3ª Vara Criminal da Capital, que condenou três dos acusados a pouco mais de 36 anos de reclusão e um deles a mais de 33 anos de reclusão. Os acusados, presos preventivamente desde junho do corrente ano, tiveram negado o direito de recorrer em liberdade.