O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



Post

Na última quinta-feira (17/11), o Tribunal do Júri da Comarca de Chapecó acolheu a tese apresentada pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) e condenou Deivid Cristian Machado por homicídio duplamente qualificado (motivo fútil e recurso que dificultou a defesa da vítima) e por porte ilegal de arma de fogo. Ele terá de cumprir 18 anos de reclusão, em regime fechado, e pagar dez dias-multa. O réu matou Vitor Bellincanta, que tinha 18 anos na data do fato, com um tiro.  

Conforme a denúncia, por volta das 4 horas do dia 6 de outubro de 2019, em frente a um comércio de bebidas no Centro de Chapecó, o irmão da vítima e um amigo do réu passaram a discutir. A vítima e seu tio também entraram na discussão. 

Porém, o réu e outro homem acabaram se envolvendo na confusão. Após trocas de empurrões, Deivid atirou contra Vitor, que estava de costas se defendendo de um terceiro indivíduo. O tiro atingiu a cabeça da vítima, que não resistiu aos ferimentos e morreu no local.   

O Promotor de Justiça Alessandro Rodrigo Argenta representou o Ministério Público na sessão.   

Cabe recurso da sentença, mas ao réu foi negado o direito de recorrer em liberdade, pois a Justiça considerou que a prisão preventiva é necessária para a garantia da ordem pública e para assegurar a aplicação da lei penal. O condenado chegou a ficar mais de dois anos foragido.